Terça, 11 Setembro 2018 18:48

Alegria, motivação e esperança são renovadas no VI Congresso Regional da Pastoral Familiar

Palestras, mensagens, reflexões, Santa Missa, estudos. O VI Congresso da Pastoral Familiar do Regional Centro-Oeste da CNBB, foi um momento de graça e aprendizado para os 470 congressistas que participaram do evento nos dias 7 a 9 de setembro, no Centro Pastoral Dom Fernando (CPDF), em Goiânia. O tema proposto para esta edição “O Evangelho da Família, alegria para o mundo”, em sintonia com o Encontro Mundial das Famílias com o papa, que aconteceu em agosto, foi amplamente discutido.

Na missa de abertura, o arcebispo de Goiânia, Dom Washington Cruz, disse que a mudança de estilo de vida é o principal desafio dos agentes da Pastoral Familiar nos dias de hoje. De acordo com ele, a fé em Cristo exige mudanças profundas. “A fé em Cristo não nos pede pequenas mudanças de fachada, que mudemos os trajes velhos e aproveitemos os odres velhos, mas nos convoca a usar trajes novos e odres novos”, disse, se referindo à leitura do evangelho do dia (Lc 5,33-39).

Concluindo sua reflexão, Dom Washington comentou que Jesus é aquele que rompe com os modos antigos. “O vinho novo de Jesus nos obriga a ter odres novos e profunda mudança de mentalidade. Há coisas que parecem impossíveis como ir contra as correntes deste mundo, mas precisamos voltar à Palavra de Jesus sempre. Rezo para que este congresso nos encha os odres com o vinho novo que a família e a Igreja tanto precisam”.

O evento seguiu com várias palestras e mensagens, temas profundos e ricos sobre a Pastoral Familiar. “Este congresso se traduz em um tempo de estudo para causar espanto no mundo”, disse na mesa de abertura dos trabalhos, Dom Moacir Silva Arantes, bispo auxiliar de Goiânia e referencial para a Pastoral Familiar na arquidiocese anfitriã. Ele explicou que nenhuma vida e família é fruto de acidente, mas do desejo de Deus. Segundo ele, precisamos entender o Evangelho para assimilar que o congresso da família é um tempo de reflexão sobre a Boa Notícia. “Qual é a boa notícia para o mundo? Que Deus caminha conosco”, respondeu Dom Moacir, completando que a Igreja não precisa de voluntários, mas de missionários. “Que vocês gerem vidas em suas famílias e na sociedade lá fora”, concluiu.

Padre Cleber Alves, assessor eclesiástico da Pastoral Familiar no Regional Centro-Oeste, continuou a reflexão de Dom Moacir completando que mais do que servos, a Igreja precisa de missionários alegres. “Sorrisos nos lábios evangelizam mais do que uma palestra bem proferida. Na Pastoral Familiar não vamos encontrar somente flores. Há muitos espinhos, por isso precisamos evangelizar com alegria, tema deste congresso”, declarou.

Embora esta seja a sexta edição do congresso, o casal coordenador da Pastoral Familiar no regional, Dóris e Léo, enfatizou que cada tema ouvido é um novo anúncio. Eles motivaram os agentes da pastoral a não se omitirem a participar de encontros formativos. “Cada dia é um novo dia e cada rio é um novo rio, nos ensinou Dom João Wilk, bispo referencial da pastoral no Centro-Oeste. Por isso, o anúncio é sempre novo. Somos chamados a vivenciar o amor que o mundo tanto precisa e, mesmo que achemos que os frutos não estejam aparecendo, esse não é nosso papel. Nossa missão não é colher, mas semear”, esclareceu Dóris.

Ciclo de palestras
O ciclo de palestras começou ainda no dia 7 de setembro, com o padre Dilmo Franco, reitor do Seminário Interdiocesano São João Maria Vianney. Ele abordou o tema “A opção fundamental por Jesus Cristo, como caminho de santificação e motivação”. O sacerdote explicou que a opção fundamental está nas escolhas concretas. “Ao fazer a opção por Jesus Cristo deve-se rezar todos os dias e responder concretamente de acordo com a escolha que fazemos. Se sou chamado a um ato ilícito, respondo não porque minhas escolhas concretas devem confirmar minha opção fundamental”, explicou. Em seguida foi a vez do bispo emérito de Uruaçu, Dom José Silva Chaves, falar sobre “As características da santidade no mundo atual, a partir da Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate”, do papa Francisco. O bispo ressaltou em suas colocações que “a espiritualidade é a fonte segura donde os esposos vão tirar as soluções para todos os problemas, conjugais e familiares, e a força para viverem em profundidade e em toda sua amplitude seu sacramento”.

Ao todo, o evento teve seis palestras sobre os mais diversos temas atuais e três sobre Pré-Matrimônio, Pós-Matrimônio e Casos Especiais. Houve ainda plenárias para o esclarecimento de dúvidas, momento cultural, reza do Santo Terço e celebrações diárias da Santa Missa. O domingo, reservado como dia da motivação, padre Cleber proferiu a palestra “Pastoral Familiar nos dias atuais, desafios, perspectivas e adaptação à realidade”. Ele explicou que para ter eficácia, os trabalhos da Pastoral Familiar precisam de inovação, adaptação à realidade e se distanciar da pastoral da manutenção. “Temos que ter nossa autoestima elevada sabendo que não somos os únicos que trabalham a família e a vida. Temos que ser uma pastoral de conjunto”.

Pré-Matrimônio
André Parreira, do Instituto Nacional da Família e da Pastoral Familiar (Inapaf), e autor do livro “Família fora de moda? – Tempos modernos, fé e paternidade responsável”, proferiu a palestra “Pré-Matrimônio na Amoris Laetitia, na qual ele disse que o acompanhamento é a tônica da Igreja. Parreira afirmou que para ter êxito, é importante haver envolvimento no pré e no pós-matrimônio e buscar sempre inovação por meio de uma formação adequada que não afaste os jovens do casamento. “Os encontros não devem se limitar a duas ou três reuniões, mas deve ampliar-se a uma catequese contínua em que haja discernimento, antecipação, conteúdo e partilha, pois o acompanhamento gera discernimento”.

Pós-Matrimônio
Na palestra “Pós-Matrimônio: Pastoral Familiar e movimentos e serviços em favor da família e da vida”, Dom Moacir destacou que a Igreja é chamada a conhecer, acompanhar e a integrar os trabalhos em favor das famílias. O princípio é bem objetivo: “a ação da Pastoral Familiar é cuidar de todas as famílias que são lavoura e construção de Deus e nossa missão é cooperar e ajudar a salvar cada uma. Isso custa muito, mas uma fé que não me custa nada, está sendo íntegra?”, questionou.

Casos Especiais
O casal Cláudio Rodrigues e Maria do Rosário Silva, refletiu sobre aspectos teóricos e práticos da Exortação Apostólica Pós-Sinodal “Amoris Laetitia: sobre o amor na família”, referentes ao Setor Casos Especiais. “O trabalho da Igreja junto aos divorciados e recasados, em todos os seus níveis (nacional, regional, diocesano e paroquial), tem como objetivo acolher e evangelizar os casais em segunda união, a fim de que eles não se sintam separados da Igreja”, afirmaram. Lembraram que São João Paulo II foi o primeiro a dar início uma pastoral de acolhida aos irmãos em situação irregular. Eles citaram também o papa emérito Bento XVI, que cultivou o desejo da plena comunhão com Cristo, por meio da prática da comunhão espiritual e mais recentemente o papa Francisco, que no encerramento do Ano da Fé (2013), convidou todos os cristãos sem distinção a renovar seu encontro pessoal com Cristo. “Não há motivo para alguém poder pensar que este convite não lhe diz respeito, já que ‘da alegria trazida pelo Senhor ninguém é excluído”.

Mesmo sem poder participar do congresso, por razões de saúde, Dom João Wilk, bispo de Anápolis e referencial para a Pastoral Familiar no Regional Centro-Oeste, contribuiu muito com a realização do evento, inclusive com a mensagem “O Evangelho da Família, alegria para o mundo “Completai minha alegria permanecendo unidos.”
(Filipenses 2,2).

Para Eunice Alves, da Arquidiocese de Brasília, “o Congresso foi muito enriquecedor pra todos nós. As palestras nos motivaram ainda mais em nosso trabalho pastoral e tenho certeza que saímos daqui com uma carga enorme, a mala cheia de novidades e muita formação”. Célia Abadia da Fonseca Rosa, da Paróquia Bom Jesus, em Goiânia, contribuiu bastante as reflexões sobre a pastoral de conjunto, para a boa relação com as demais pastorais. “Devemos aproveitar o que nós temos em nossa paróquia, pondo em prática os temas abordados aqui”. Já Roberto da Silveira, também da Arquidiocese de Brasília, o evento vai ajudar de modo substancial na caminhada de base nas paróquias.
“As palestras foram muito bem elaboradas e vai nos ajudar como agentes pastorais a promover sempre mais o cuidado com a família, com a comunidade e o crescimento pessoal cristão”.

Enviados em missão
Na missa de encerramento, o bispo auxiliar de Goiânia, Dom Moacir Silva Arantes, disse que foi o próprio Senhor que trouxe tantas pessoas a participar do VI Congresso da Pastoral Familiar, para ouvirem suas palavras e refletirem sobre a família como ambiente de acolhimento. Dom Moacir salientou que a família é uma missão de amar e servir, de cuidar e se colocar à disposição das necessidades dos outros. “Embora Deus não precise de nós, ele acolhe aquilo que fazemos na vida do outro”, justificou. A missão da Pastoral Familiar, continuou o bispo, é acolher as pessoas para que seja cumprida a tarefa de resgatar famílias e apresenta-las o amor de Cristo. Ao fim da celebração, Dom Moacir convidou todos a renovar o propósito de fidelidade ao Senhor rezando a oração de São Patrício.

Revista eletrônica
Todo o material do VI Congresso Regional da Pastoral Familiar: palestras, fotos, slides, incluindo a Carta-compromisso que foi lida no encerramento do evento, pode ser acessado na Revista Eletrônica, pelo endereço www.cnbbco.com/revistapf. O documento conclama os agentes da pastoral a viverem com esperança, com os olhos fixos em Jesus, no anúncio do Evangelho da Vida e da Família; a cuidarem de sua espiritualidade, buscando a conversão e a santificação; a não permitirem que os males desse mundo exerçam influência sobre os trabalhos e a vida das famílias que desejam viver o projeto de felicidade proposto pelo Evangelho; e a buscar o conhecimento necessário para qualificar as ações da Pastoral Familiar, com coragem, inteligência e amor.

Balanço
Dom Moacir fez um balanço dos três dias de congresso. “O nosso VI Congresso Regional da Pastoral Familiar foi um evento de êxito, porque nós estivemos aqui durante três dias congregados, unidos, refletindo, rezando, pensando e desejando um bem para todas as famílias e para cada pessoa que necessita ainda conhecer o amor de Deus. Nós tivemos espiritualidade, formação e motivação. Deus já nos deu os meios, agora cabe a nós realizar a obra por meio desses talentos que recebemos”, afirmou o bispo.

VII Congresso Regional da Pastoral Familiar 2021
Antes do encerramento do congresso em Goiânia, foi anunciada a Diocese de Uruaçu como sede do VII Congresso Regional da Pastoral Familiar, em 2021. O bispo diocesano de Uruaçu presidente do Regional Centro-Oeste da CNBB, Dom Messias dos Reis Silveira, deixou sua mensagem, por meio de vídeo, acolhendo a escolha de sua diocese para sediar o evento. “Agradeço a todos vocês pela escolha da nossa Diocese de Uruaçu e quero dizer que nós vamos nos organizar, nos preparar, para que este congresso possa acontecer da melhor forma possível com grande envolvimento das famílias. Esperamos vocês em 2021. Até lá estejamos unidos na oração pedindo ao Senhor que ajude a preparar os caminhos e orações para que o congresso seja bem realizado em nossa diocese”, deixou sua mensagem o bispo.



Serviço que se realiza na Igreja e com a Igreja, de forma organizada e planejada por meio de agentes específicos, com metodologia própria, tendo como objetivo apoiar a família a partir da realidade em que se encontra, para que possa existir e viver dignamente, estabelecer relacionamentos e formar as novas gerações conforme o plano de Deus.

Bispo referencial

Dom frei João Wilk

Assessor eclesiástico: Pe. Cleber Matos

Coordenação: Leônidas e Maria Dóris

Contatos

Léo: (62) 99685-1139

M. Dóris: 99981-3936
E-mail: pfamiliarco@gmail.com


© 2018 CNBB Centro-Oeste - Todos os direitos reservados

Rua 93, nº 139, Setor Sul, CEP 74.083-120 - Goiânia - GO - 62 3223-1854