Quinta, 16 Novembro 2017 17:38

Entrevista: os desafios da CNBB nos seus 65 anos de atuação

Entrevista com o cardeal Dom Sergio da Rocha

O cardeal Dom Sergio da Rocha, arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) concedeu entrevista à Assessoria de Comunicação do Regional Centro-Oeste. Em sua fala, ele destaca a atuação da Conferência por meio da colegialidade dos bispos, diante da realidade social brasileira, e fala também da relação do órgão permanente do episcopado com o povo de Deus nas milhares de comunidades espalhadas pelo Brasil e com a sociedade brasileira de um modo geral.

O que o senhor destacaria de mais relevante nestes 65 anos da CNBB?

A atuação da CNBB ao longo destes 65 anos tem se expressado em três grandes âmbitos: a) a colegialidade episcopal, isto é, a unidade no episcopado e a comunhão na Igreja do Brasil, pois a CNBB é, acima de tudo, um instrumento valioso de colegialidade entre os bispos e de unidade na Igreja; b) a animação da ação evangelizadora da Igreja no Brasil, com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora e as Comissões Episcopais Pastorais, respeitando sempre o papel próprio dos Regionais e das Dioceses; c) a atuação profética frente aos problemas sociais que se abatem sobre o nosso povo, principalmente os mais pobres e fragilizados, colaborando na construção da justiça e da paz. Nestes três âmbitos, nestes 65 anos, temos inúmeras iniciativas com tantos frutos, que é difícil resumir. Em cada período da história da CNBB, temos aspectos especialmente relevantes da sua missão que poderiam ser ressaltados. Neste momento, agradecemos a Deus e a todos os que têm construído a história da CNBB, não apenas através de grandes iniciativas, mas por terem cuidado dela com tanta dedicação e generosidade, no seu dia a dia.

A Conferência sempre se posiciona a respeito de temas sociais e políticos do nosso país. Como o senhor avalia isso e como percebe os reflexos desses posicionamentos?

A CNBB tem contribuído para a construção da justiça e da paz, no Brasil, através do diálogo amplo e de pronunciamentos corajosos, especialmente em tempos de crise. Não adotamos posição político-partidária; estamos sempre dispostos a dialogar com todos pelo bem do povo brasileiro. A CNBB tem se pautado pela Palavra de Deus e pela Doutrina Social da Igreja. Graças a Deus, durante a sua história e nos dias de hoje, tem sido procurada e respeitada por autoridades, por movimentos sociais, por representantes das diversas organizações nacionais e internacionais.

A CNBB, como o próprio nome diz, é um órgão permanente dos bispos do Brasil. Que relação é preciso haver entre leigos, a sociedade de modo geral, e a Conferência?

Os pronunciamentos e iniciativas da CNBB resultam do episcopado brasileiro; são fruto de participação, de diálogo, de muita reflexão e discernimento conjunto, especialmente nas Assembleias Gerais e nos Conselhos Permanente e de Pastoral. Por isso, expressam o sentir do episcopado brasileiro e a comunhão na Igreja, e não apenas um grupo ou a presidência da CNBB. Assim sendo, espera-se dos membros da Igreja e das comunidades uma postura de acolhida, respeito e empenho para por em prática as diretrizes pastorais e iniciativas da CNBB.

O que é mais desafiante à CNBB hoje, na sua missão de colaborar na evangelização da Igreja no Brasil?

Um dos maiores desafios é dar a devida atenção à diversidade de situações que interpelam a missão evangelizadora da Igreja e exigem maior atenção e empenho. Basta olhar os campos da missão na realidade paroquial; são muitos e desafiadores. Nos âmbitos regional e nacional, as situações se multiplicam e se tornam ainda mais complexas e exigentes. A sociedade atual é plural e complexa. Isso não nos dispensa de buscar respostas, com o máximo empenho.

A Igreja n Brasil está para celebrar o Ano do Laicato. Qual a intenção deste Ano e o que podemos esperar dele?

O Ano do Laicato é uma iniciativa aprovada pelos bispos do Brasil, na Assembleia Geral, em 2016, quando foi elaborado o valioso documento “Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade, Sal da Terra e Luz do Mundo”. A sua abertura ocorre na Solenidade de Cristo Rei, 26 de novembro, que tem sido o Dia Nacional dos Cristãos Leigos e Leigas. Esperamos valorizar e promover, ainda mais, a participação do Laicato no interior da Igreja, nos Conselhos Paroquiais, pastorais, movimentos e serviços, mas também na sociedade, nos campos da política, da economia e da cultura. Necessitamos de uma presença muito maior dos fiéis leigos e leigas na sociedade, para serem, de fato, “sal da terra e luz do mundo”, como quer Jesus dos seus discípulos e como propõe a Igreja, hoje. Para isso, é indispensável que o Ano do Laicato seja vivido por todos, pastorais, movimentos, comunidades, paróquias e regionais da CNBB.

loader

Dioceses

goiania luziania rubiataba uruacu Brasilia Formosa itumbiara anapolis Sao-Luis goias Militar jatai ipameri

Arquidiocese de Goiânia

Diocese de Luziânia

Diocese de Rubiataba

Diocese de Uruaçu

Arquidiocese de Brasília

Diocese de Formosa

Diocese de Itumbiara

Diocese de Anápolis

Diocese de São Luís

Diocese de Goiás

Ordinariado Militar do Brasil

Diocese de Jataí

Diocese de Ipameri

© 2017 CNBB Centro-Oeste - Todos os direitos reservados

Rua 93, nº 139, Setor Sul, CEP 74.083-120 - Goiânia - GO - 62 3223-1854