Quarta, 06 Março 2019 03:06

Tempo favorável e de conversão

O tempo da Quaresma chegou. É um tempo propício, forte e de mudanças radicais interiores e também de comportamentos eclesiais e sociais mais idôneos com a lógica do Evangelho.

O imperativo inicial que é a chave de leitura de todo o itinerário de preparação à Pascoa, é a palavra que deu início ao ministério público de Jesus: "Convertei-vos e crede no Evangelho" (Mc 1, 15) ou de forma optativa: "Homem, lembra-te que tu és pó e ao pó hás de voltar" (Gn 3, 19).

Palavras severas, peremptórias e que direcionam o caminho, seja ele pessoal como comunitário.

  1. Convertei-vos. No contexto em que estamos vivendo e no qual a Igreja passa o convite, que é um imperativo, adquire uma força de urgência e gravidade sem par. Nunca passamos por um tempo conturbado e humilhante como agora. No meu não curto percurso de vida, não lembro um acúmulo de fato, escândalos tão sérios como nestes últimos tempos: cardeal reduzido a leigo, cardeal na cadeia, bispos destituídos, diocese em processo de fiscalizações graves, escândalos de pessoas consagradas pipocando em várias Igrejas particulares, povo desnorteado diante dos fatos veiculados pela imprensa e por aí vai. Isso para relembrar a nossa vida eclesial sem entrar em âmbitos políticos, culturais, éticos morais etc.

Convertei-vos! É possível continuar a se fazer de surdos e cegos, como se isso não seja verdade? É possível continuar a desencadear mecanismos de defesa, considerando tudo como complô contra a Igreja e desconhecendo a grave crise que estamos passando? É lógico e coerente defender mais a própria imagem e encobrir sistematicamente a realidade? A conversão exige respostas plausíveis, claras e, portanto, mudanças inequívocas seja no nível pessoal - ponto de partida para quaisquer mudanças - mas também eclesiais. Há mecanismos internos na Igreja que produzem desajustes e que nem sempre queremos ver e menos ainda enfrentar, a não ser de forma teórica. "Convertei-vos"!

 

  1. A conversão se dá se seremos capazes de acreditar na Palavra que é sempre de vida eterna, de luz, de segurança. Hoje se tornou muito difícil a arte do discernimento no emaranhado de informações constantes que temos, engolidas não poucas vezes sem reflexão e sem referências seguras.

Deus não tem opiniões, mas sim palavras de vida eterna, portanto se entregar a Ele é fundamental para encontrar a si mesmos e o caminho da vida. No campo teórico  concordamos com isso, mas na realidade  a Palavra do Evangelho tem bem pouca força na vida real, prevalece o bom senso nos casos melhores, a opinião da maioria, as ideologias, mas é tirada a força intrínseca da Palavra, quando nos piores dos casos a própria Palavra é falsificada por interesses pessoais ou de grupo.

O "Credes no Evangelho" necessita de abertura de coração, espíritos desarmados e meditativos. Romano Guardini dizia que "a Palavra nasce do silêncio", como carecemos disso! Como eu posso ouvir, entender, interiorizar o que Deus vai me dizendo se não tem espaço pelo silêncio. A Quaresma nos incentiva para isso.

 

  1. A opção que a liturgia nos oferece no dia da imposição das cinzas é importante também para encaminhar a tempo forte e favorável da quaresma: "homem lembra-te que és pó..." Não esqueça tua finitude, tua precariedade existencial, tua provisoriedade, não esqueça que aqui não tem uma cidade permanente e douradora, deverás voltar ao pó. Que sentido tem cultivar atitudes de prepotência, de onipotência, de manipulação do outro, de orgulho pessoal e não poucas vezes de orgulho de grupo? Que sentido tem cair naqueles perigos que o Papa detecta na "Gaudete et exultate", quando fala do gnosticismo e do pelagianismo atual (nn. 36-62)?

"Es pó", és criatura não criador, és beneficiário da salvação não seu protagonista e fonte. Muito orgulho espiritual precisa ser derrubado para se converter de fato ao projeto de Deus, deixando-nos conduzir por Ele de forma inequívoca e desarmada.  Não é fácil para o homem e a mulher de hoje - que se acham protagonistas únicos de suas vidas, quase que Deus fosse um a mais, um obstáculo para a própria liberdade e autonomia. - mudar de rumo, se converter, deixar espaço criativo à Palavra eterna do Deus vivo.

As provocações que o tempo quaresmal levantam em nossa caminhada são muitas e graves. A elas se unem os desafios levantados pela Campanha da Fraternidade sobre "Políticas publicas" que não deverão ser minimizados ou ignorados se quisermos dar corpo à nossa conversão que nunca é sem mudanças transformadoras e sociais. "A fé sem as obras é morta", perde credibilidade e atração.

Boa Quaresma para todos nós, focando a mudança interior em primeiro lugar, sem esquecer  as urgentes mudanças sócio-eclesiais, a entrega ao Evangelho e a consciência da nossa provisoriedade existencial.

Dom Carmelo Scampa

Bispo de São Luís de Montes Belos

AGENDA CNBB

18 Jul

CPDF, em Goiânia.

19 Jul

Em Porto Alegre (RS).

20 Jul

Em Brasília-DF.

© 2019 CNBB Centro-Oeste - Todos os direitos reservados

Rua 93, nº 139, Setor Sul, CEP 74.083-120 - Goiânia - GO - 62 3223-1854